Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

a world in a grain of sand

um mundo num grão de areia

a world in a grain of sand

Há vazios onde as ondas do mar acabam

Sofia
05
Fev22

Há vazios onde as ondas do mar acabam
e onde os nossos desejos começam.
No horizonte, uma luz vai desaparecendo
e o vazio espalha-se pela noite fora.
As ondas do mar acabam nos nossos pés
que se afundam em lençóis brancos.
Há desejos que começam nos nossos pés despidos
que com as suas solas acariciam as noites escuras.
Há marinheiros que caminham pelo firmamento
e guardam em si os sonhos de uma vida.
Há outros corpos que se afundam nas ondas
e procuram as histórias futuras.
Corpos vivos, ondas soltas e, no cimo,
os despojos de um velho amor
que permanecem à deriva no mar.
Uma nova história começa, acaba a onda,
o desejo eleva-nos os calcanhares,
solta-se um grito de espuma que não se quer calar.

Ana Sofia Alves
4 de Fevereiro de 2022

Vou por aí a procurar

Sofia
22
Jan22

Não apareceia por aqui desde o ano passado, por isso quero desejar-vos um Feliz 2022! 

Espero que esteja ano nos traga a todos mudanças para melhor e que nos permita crescer. Quanto a mim, espero encontrar-me, porque perdi-me algures no tempo.

 

Cartola - Preciso Me Encontrar

 

Deixe-me ir
Preciso andar
Vou por aí a procurar
Rir pra não chorar
Deixe-me ir
Preciso andar
Vou por aí a procurar
Sorrir pra não chorar

 

Quero assistir ao Sol nascer
Ver as águas dos rios correr
Ouvir os pássaros cantar
Eu quero nascer
Quero viver

 

Deixe-me ir
Preciso andar
Vou por aí a procurar
Rir pra não chorar
Se alguém por mim perguntar
Diga que eu só vou voltar
Depois que me encontrar

 

Quero assistir ao Sol nascer
Ver as águas dos rios correr
Ouvir os pássaros cantar
Eu quero nascer
Quero viver

 

Deixe-me ir
Preciso andar
Vou por aí a procurar
Rir pra não chorar

 

Deixe-me ir preciso andar
Vou por aí a procurar
Rir pra não chorar
Deixe-me ir preciso andar
Vou por aí a procurar
Sorrir pra não chorar

Os astros lá no alto

Sofia
09
Out21

Os astros lá no alto não querem saber das nossas dores.

Mesmo quando o mundo bate dentro do nosso peito,

não temos direito a qualquer pequena contemplação.

Mesmo que as lágrimas afundem um pequeno coração,

o Universo permanece igual. Chega-se assim à conclusão:

não há nada no coração, é só sangue e carne pulsante.

Memórias de aconchego, sorrisos ou lágrimas de tristeza

são frutos da nossa imaginação. No entanto, o ritmo,

a pulsação, parece contar uma história. Parece haver

uma memória, sorrisos e lágrimas. O sangue espalha-se

por todo o corpo, a história corre-nos pelas nossas veias.

As memórias permanecem como alicerces e sentimo-nos

um edifício belo, mas degradado. Já não há tecto que nos

proteja, apenas astros lá no alto que não querem saber.

Fazemos promessas feias ao infinito quando há esperança.

Consumimo-nos até sermos apenas fumo que segue no ar.

Consumimo-nos até que a carne se desfaça em bocados,

até que o sangue que nos dá vida decida parar de correr.

Quantas histórias! Quantas pulsações! Quanta loucura!

Chamam-lhe viver. Quantas mortes? Quantas vidas?

 

Ana Sofia Alves

9 de Outubro de 2021

Pinheiros

Sofia
01
Out21

Os pés descalços e escuros da terra
corriam em direcção ao baloiço.
Por baixo dos pés, havia terra, raízes
e caruma dos pinheiros que picava
os pés enquanto corriam ou andavam.
Na terra escura havia a liberdade
de se ser quem se quiser e os sonhos
que as crianças guardam em cofres.
Os tesouros da infância estão guardados!


Parte de mim ficou colada à resina
que escorria pela casca dos pinheiros
e que as minhas mãos de criança tocavam
na procura de novas sensações. Ficamos
colados às cascas da nossa vida.
Os chorões agarravam-se à terra
com mais firmeza que as minhas mãos
que apenas queriam ser livres para construir
castelos com uma terra difícil de moldar.
Queriam ser livres para agarrarem as pinhas
e as canas, para abraçarem as árvores, para
agarrarem um pedaço de pão enquanto o corpo
corria pelo terreno, livres para agarrarem
as cordas grossas do baloiço
enquanto o corpo se imaginava a voar.
Livres e sujeitas, por isso, a qualquer infortúnio,
como as urtigas. Livres e nuas,
prontas para agarrarem com força as cordas
e prontas para ampararem qualquer queda.


No alto, à noite, as corujas tornavam-se as guardiãs
dos sonhos e dos pesadelos.
Na noite funda, ouvia-se um piar sem fim.
Os pinheiros guardavam as guardiãs.

O corpo descansa enquanto a mente anseia.
A mente anseia crescer como um pinheiro.


Ana Sofia Alves
1 de Outubro de 2021