Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

a world in a grain of sand

um mundo num grão de areia

a world in a grain of sand

Pensamento do Dia #9

Sofia
20
Dez20

Sinto-me perdida no tempo. Acho que isto é tudo mentira e estou num sonho qualquer há não sei quanto tempo... Como é possível estar a chegar o Natal se eu nem celebrei os Santos Populares?

Talvez seja por este vazio emocional e falta das melhores noites do ano que dou comigo a ouvir o "Cheira a Lisboa" e "O Cochicho" em plena época natalícia...

É por estas e por outras que dizem que o pessoal que lidou com o vírus pode ter problemas na cabeça... Enquanto for só isto estou bem...

De qualquer modo, aproxima-se a passagem de ano. Apesar das diferenças porque habitualmente fico sempre por casa na passagem de ano, há sempre muita música e copos à mistura*, por isso talvez dê para me situar no tempo.

 

* Copos q.b., porque comigo até a água tem efeitos especiais... Tão especiais que a minha irmã e o meu namorado fazem questão de recordar nos almoços ou jantares de família que sou uma espécie de Jesus Cristo porque, aparentemente, também pratico a transubstanciação e transformo a água em vinho, só que internamente... (E sim, eles dizem mesmo isto... Esta ideia não é minha.)

De volta a casa

Sofia
25
Nov20

A preguiça de aqui escrever pelo telemóvel fez com que cá não voltasse tão cedo como gostaria (devo ter gasto o limite de caracteres no último post ).

Já faço parte do número de recuperados e pareço outra.  Estou volta à minha casa e a casa está de volta, inteira. Ter ficado fechada no meu quarto tantos dias fez-me sair cheia de vontade de fazer imensas coisas. Até as tarefas domésticas se tornaram coisas boas!  Felizmente o meu namorado não apanhou o bicho. Estranha realidade esta em que apesar de morarmos juntos, por algum tempo, ficámos sem estar juntos. As saudades que eu já tinha da minha alegre casinha, do estar com o meu namorado, de dar abraços... 

Entretanto, a minha mãe e a minha irmã decidiram oferecer-me uma TV para o quarto. Tinha pensado muito nesse assunto e nunca tomei nenhuma decisão porque tinha medo de que o móvel do quarto não aguentasse com uma TV ou que as gatas fizessem asneiras. A minha mãe e a minha irmã resolveram a questão por mim e, para já, parece-me que o móvel se está a aguentar e que as gatas se andam a portar bem. (Mesmo assim, penso em mudar mais tarde o móvel do quarto para uma Kallax. Era a ideia original, mas, por menos 5 cm, optei pela Eket. Só não fazia ideia de que esta estante de similar com a Kallax só tinha mesmo os cubos... Não é tão robusta e a montagem não me inspirou confiança. Era só encaixar, o que poderia correr mal? Afinal, eu já tinha montado uma Kallax de 8 cubos sozinha e tinha corrido tudo bem. O que poderia correr mal? Parti logo uma das peças de encaixe. Stressei comigo e com o meu namorado. Apesar de poder ser falta de jeito, achei também que isto significava algo e que esta estante não era o que eu pensava. Lá a consegui montar em jeito improvisado. Não houve peça de encaixe, houve uns belos pregos à moda antiga, escondidos depois com um autocolantes protectores de chão. Já iam ser ali colocados à mesma por isso a coisa até se safou.)

O final de 2020 aproxima-se e eu nem acredito que estamos há um ano a aturar ouvir falar do bicho e há quase um ano a ter de lidar com ele. Quero que 2021 seja melhor para todos, mas os desejos para o próximo ano ficam para outra altura, mais próximo do fim do ano. Eu sei que agora temos de antecipar tudo, mas, para já, ainda não é preciso antecipar desejos e palavras.

Tenho um nervoso miudinho dentro de mim. No próximo ano já não vou estar a trabalhar no mesmo projecto. Tivemos a notícia este mês e tive de tomar uma decisão para o meu futuro. Como o coração e a razão estavam em sintonia, acho que tomei rápido a decisão de ficar na minha empresa sabendo que isso implica mudar de projecto (e que essa mudança pode implicar alterações no horário, folgas, etc.). Era isso ou manter-me no projecto actual através de outra empresa. Projectos há muitos... Encontrar uma empresa com a qual partilhamos valores e na qual confiamos é que pode não ser assim tão comum.

Num próximo post quero partilhar músicas. Dei comigo a ver vídeos de concertos e a desafinar enquanto via esses vídeos ou apenas ouvia músicas no YouTube... Até tenho medo de dar de caras com algum vizinho quando tiver de sair de casa (e o medo não é por causa do bicho). 

Tenham uma boa noite!

Esta montanha-russa...

Sofia
07
Nov20

Olá! Já se passou quase um mês desde que aqui escrevi pela última vez. Até já estamos em Novembro!

Quero avisar que estou a escrever no telemóvel (uma trabalheira) e que podem aparecer erros ou correcções estranhas do corrector ortográfico.  (Vou rever o texto, mas nunca se sabe.)

Da última vez que por cá passei estava KO por ter ficado a ver séries até às tantas. Agora as maleitas são outras, mas felizmente sinto-me a melhorar. Parece que com todos os cuidados ao sair de casa e ao receber encomendas não consegui evitar o vírus maldito. Não sei onde o apanhei, mas as hipóteses não são muitas. Só saía de casa quando ia ao trabalho e se fosse ver o meu pai (o que nestes tempos acontecia só de mês a mês ou num intervalo maior até). (Como também mal saía de casa, não tive muitos contactos próximos, o que espero que seja algo que tenha minimizado a transmissão do vírus. Ainda assim, preocupo-me com os colegas de trabalho e com as pessoas com quem me possa ter cruzado nos transportes. Sempre usei máscara e desinfectei as mãos com regularidade, mas este vírus invisível...)

Se já achava que estávamos a viver um filme de acção/ficção científica, agora ainda me parece mais. O meu namorado vai também fazer o teste para o vírus, mas tem estado bem. A nossa casa está dividida ao meio e eu só saio do quarto para ir à casa-de-banho (que desinfecto sempre que uso e que, por causa disso, está mais imaculada que todos os santos deste mundo e do outro). Tenho trabalhado em casa e isso tem-me feito bem, porque ajuda-me a não pensar demais no que se está a passar. Andava a pensar colocar uma TV no quarto para ver séries e agora que estou confinada no meu quarto cheguei à conclusão de que já o devia ter feito... Deixei o meu computador na sala (aquela zona distante da minha pequena casa) e vale-me o telemóvel. Realmente, hoje em dia temos um mundo dentro do bolso / na palma da mão...

Os sintomas não são graves e parece-me que estou no bom caminho para ficar bem. Voltei numa quinta-feira do trabalho e senti-me bastante cansada e com umas dores de cabeça enormes. Não liguei muito porque costumo ter muitas dores de cabeça. Achei que nunca tinha tido umas tão fortes, mas ao mesmo tempo já tive tantas... Entretanto senti calafrios e dores no corpo e decidi medir a temperatura. Estava alta. Fiquei apreensiva e desde esse dia que não saio de casa. Não liguei logo para a Saúde 24 porque foi algo tão aleatório e que me aconteceu no final de um dia de trabalho (sentimo-nos às vezes exaustos no final do dia) que estava a tentar perceber o que tinha. Tomei nota de como me sentia porque achei que poderia ter de ligar para lá. Entretanto foi o que aconteceu... Não tive mais a temperatura alta e as dores do corpo passaram rápido, mas apareceu um pouco de tosse e irritação da garganta. Houve momentos em que me cansei bastante. Lembro-me de estar a comer umas bolachas e de ficar exausta só de mastigar. Pensei "se calhar tenho o piiiiiiiii do vírus". (Infelizmente tenho. Era bem melhor se o meu namorado estivesse certo e fosse só eu a panicar.) O sintoma que me fez acreditar ainda mais que poderia ser o vírus foi a perda do olfacto e do paladar. As dores de cabeça fortes aparecem e desaparecem. O paladar e o ofacto já começaram a voltar e desde ontem que já consigo sentir o que como. Já estive mal dos intestinos, mas hoje sinto-me melhor e optimista.

Hoje dormi melhor e só acordei às 10:30 quando um médico me ligou do Centro de Saúde. Apesar de muita gente se queixar, de sabermos que nem tudo funciona bem e de não se perceberem algumas medidas tomadas (há coisas contraditórias), senti mais confiança depois de ligar para a Saúde 24. Esperei à volta de 20 minutos, o que, para mim, tendo em conta a situação actual, não é tão mau como esperava. Explicaram-me que ia receber duas mensagens para marcar o teste e que ia ser contactada pelo meu Centro de Saúde. O meu Centro de Saúde tem-me acompanhado por telefone desde que contactei a linha da Saúde 24 e ainda antes do resultado do teste. Confesso que ler sobre a doença e sentir que sou acompanhada mesmo em casa (ainda bem que estou em casa, é melhor para mim e para os outros porque significa que não estou com sintomas graves e que não tenho de ir ocupar um lugar no hospital que, infelizmente, faz imensa falta para outros) tem-me dado confiança para menter a cabeça calma. Sempre tive imenso respeito pelos profissionais de saúde e nos tempos que correm uma imensa gratidão. 

Passou-se pouco mais que uma semana desde que comecei a sentir sintomas e o resultado do teste é recente, mas já vivi um turbilhão de emoções. Este 2020...

Precisei de vir desabafar e acho que ajuda partilhar informações (no meu caso ajudou-me ler sobre a doença nas fontes oficiais e ver o que algumas pessoas que a tinha escreviam).

Tenham um bom fim-de-semana e cuidem-se

Da minha estante para o mundo #3

Sofia
30
Jul20

Tarrou avait perdu la partie, comme il disait. Mais lui, Rieux, qu’avait-il gagné? Il avait seulement gagné d’avoir connu la peste et de s’en souvenir, d’avoir connu l’amitié et de s’en souvenir, de connaître la tendresse et de devoir un jour s’en souvenir. Tout ce que l’homme pouvait gagner au jeu de la peste et de la vie, c’était la connaissance et la mémoire.

Albert Camus, La Peste

 

Os últimos tempos têm sido uma realidade alternativa que ninguém está à espera de viver. De repente, o mundo vive em conjunto um momento difícil. Individualmente e colectivamente vamos reagindo aos acontecimentos. Os dias vão passando de forma estranha porque temos de nos adaptar a uma realidade nova.
Tento pensar na História e como sempre a achei cíclica. Penso também na Literatura e em livros que já li. Os acontecimentos vão-se desenrolando, a nossa vida muda e adapta-se às novas situações. Um dia tudo passou e resta-nos esta memória individual e colectiva onde conhecemos o pior mas também o melhor que temos como humanos. Sabemos também pela História e pelas histórias que haverá dificuldades e perdas, mas resta-nos continuar e pensar que um dia tudo passou.
 
Dans certains cas, continuer, seulement continuer, voilà ce qui est surhumain.
Albert Camus, La Chute
 
As palavras não são de hoje, foram escritas há alguns meses, mas quis partilhá-las convosco e desejar-vos força, não só neste pedaço de história colectiva como também nas vossas histórias individuais. Porque é preciso continuar. Há momentos em que o importante é continuar.

Pensamento do Dia #3

Sofia
21
Jul20

Desde que esta coisa da Covid apareceu que ficámos todos meio desnorteados (ou desnorteados por completo).

Desde quando é que as qualificações do mundial de Snooker são em Julho e o mundial em Julho-Agosto? 

O mundial de Snooker tem muita tradição para mim. Acontecia sempre numa época atarefada da faculdade e eu tinha de alternar o estudo com a TV. Mais tarde comecei a trabalhar e deixei de ter de me preocupar com o estudo ou com os trabalhos da faculdade. A minha única preocupação passou a ser o cansaço, coisa de adultos. Mesmo assim, continuei a relembrar a tradição. Como é que eu vou relembrar agora a tradição se o mundial vai acontecer num período que cheira a praia, a banhos de Sol e de mar?

No meio disto tudo só não me perco nos dias e meses porque, desde que mudei de emprego, passei a saber sempre a quantas ando graças às datas de fecho de extractos e de limite de pagamentos. Sabem aquela pessoa que pergunta se hoje é dia 20 ou 21? Já não sou eu. Passei a ser aquela pessoa que diz "Hoje é dia 21" e pensa "É dia 21, porque amanhã é dia 22 e é uma data limite de pagamento".