Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

a world in a grain of sand

um mundo num grão de areia

a world in a grain of sand

Pensamento do Dia #10

Sofia
31
Jul21

Não sei se me quero casar num vestido comprido até aos pés ou até num típico vestido de noiva branco. Não acho piada à ideia da noiva se andar a preocupar com a escolha de um par de sapatos para depois andarem escondidos por baixo do vestido... Por outro lado, chateia-me um pouco pensar em comprar um vestido para só o usar no meu casamento. É verdade que já me aconteceu comprar um vestido que só usei uma vez e que isso nem me chateou. Há amores assim, à primeira vista. Chateou-me mais quando no auge da minha adolescência decidi comprar um vestido de veludo preto e roxo de estilo medieval e fiquei muito infeliz quando percebi que a minha escolha arrojada não seria apropriada para o dia-a-dia. Por muita coragem que tivesse para ir para a escola de botas de biqueira de aço e pulseiras com picos e correntes, não tinha coragem para usar o vestido... Usei-o duas vezes. Era Carnaval. Segundo a minha mãe, cheguei a casa chateada e disse que ninguém me percebida porque julgavam que aquilo era uma máscara. Os dramas dos adolescentes! Agora subi de nível, já estou no nível dos dramas das noivas. Já ouvi dizer que a escolha do vestido também funciona como uma espécie de amor à primeira vista, mas há uma parte de mim que não está a aceitar bem a ideia de vir a ter o meu vestido de casamento guardado com muita estima no meu guarda-vestidos. Conhecendo-me como me conheço, se gostar assim tanto do vestido, vou querer usá-lo até à exaustão, até que vire um lindo farrapo para o qual vou olhar e pensar "Fizeste-me muito feliz! Tenho tantas memórias! Foram tantos dias especiais em que estiveste presente! Vais ser sempre recordado como O vestido! Um de muitos, é certo, mas fazes parte dos eleitos que escolhi para me acompanharem em grandes momentos."

Visita à Tapada de Mafra

Sofia
31
Jul21

Estar noiva deixa-me com os nervos à flor da pele, mesmo que tenhamos decidido casar só daqui a uns dois anos. Dois anos não são nada numa altura em que parece que o tempo corre mais rápido, apesar de sentirmos que os nossos dias estão mais vazios do que dantes. Já saímos mais de casa, mas com o teletrabalho nunca se sai tanto como se saía e os dias tornam-se muito repetitivos. Embora o teletrabalho dê muito jeito e seja melhor em alguns aspectos, sair para trabalhar também tinha coisas boas. Os transportes públicos eram uma chatice, mas continuava a adorar comboios. Sempre me senti fascinada pelos comboios e gostava de um dia fazer uma grande viagem de comboio! Claro que no dia-a-dia os comboios têm alguns problemas que nos fazem rogar algumas pragas... Ainda assim, sair para trabalhar era estar mais exposta ao imprevisto e acho isso fascinante. O imprevisto tanto pode ser bom como mau, mas enche-nos os dias. Não é molhar o pezinho na água para ver se está fria, é mergulhar e depois sentir o frio.

 

Há uns tempos estivemos de férias e decidimos ir a Mafra no fim-de-semana. A pandemia apareceu e eu tinha um voucher do Odisseias por usar e já quase a expirar... Lá ganhámos coragem para passar uma noite fora de casa. Fez-nos bem. Soube a pouco e ao mesmo tempo foi muito. Precisávamos de uma lufada de ar fresco. Lufada? Qual lufada! Nós precisávamos de uma verdadeira ventania! Como não quisemos ir para muito longe, Mafra pareceu-nos uma boa opção porque poderíamos visitar a Tapada de Mafra. Já lá tínhamos estado em visitas de estudo, mas nenhum dos dois trouxe grandes memórias de lá porque as visitas pela escola não são feitas do mesmo modo que as visitas que fazemos por vontade própria.

Devido à pandemia, a Tapada de Mafra tem vários horários para os seus percursos e os bilhetes estão disponíveis para compra através do site. Foi fácil escolher um percurso e programar a nossa visita. Escolhemos o percurso verde. Fez-me bem percorrer aqueles 8 km em sossego (e com algum cansaço inicial por já não estar habituada e pelo facto de o percurso iniciar com uma subida). Se tínhamos dúvidas se iríamos conseguir ver javalis e gamos, as dúvidas foram dissipadas logo no início do percurso quando encontrámos uma mamã javali com as suas crias.

Como recordação da nossa visita à Tapada de Mafra trouxe um peluche de um javali. Não é tão bonito como os verdadeiros, mas serve-me de consolo. Quando era criança, queria muito um peluche de um javali por causa do filme d'O Rei Leão. Eu e a minha irmã dizíamos que éramos o Timon e o Pumba (por causa da magreza e pequenez da minha irmã e do meu peso um pouco excessivo) e queríamos muito ter uns peluches da dupla, mas nunca conseguimos encontrar um peluche do Pumba. A minha mãe foi connosco ao Colombo e procurámos insistentemente, mas sem sucesso, um peluche para a nossa colecção. Na altura, ir ao Colombo pareceu-nos uma coisa muito futurista. Nunca tínhamos visto um sítio tão grande e acreditávamos que por ser algo tão grande e recente iria ter o que procurávamos, porque uma coisa assim estava além da nossa imaginação da realidade. Como sabemos, a imaginação das crianças estende-se até ao infinito e mais além! (Já que estamos a falar da Disney e das recordações da minha infância, achei que esta frase ficava bem aqui. ) Uma imaginação tão grande proporciona-nos às vezes alguns dissabores, pois a realidade fica aquém daquilo que imaginamos. A ida ao Colombo para procurar um peluche do Pumba serviu-me de lição. Aprende-se desde pequeno que a realidade não é o que queremos ou o que parece. Depois há aqueles casos em que a realidade é mesmo bela e supera a imaginação, como os javalis e os gamos que vi ou as montanhas, vales, praias e outras formações maravilhosas que encontramos pelo mundo fora. Isso vale a pena e dá-nos fôlego!

IMG_20210703_101517.jpg

IMG_20210703_102625.jpg

IMG_20210703_102931.jpg

IMG_20210703_102955.jpg

IMG_20210703_111021.jpg

IMG_20210703_111028.jpg

IMG_20210703_113312.jpg

Envelhecer nos tempos modernos...

Sofia
27
Mar21

Long time no see!

Gostava de cá ter passado mais vezes, mas não tenho tido vontade de escrever e mesmo as leituras de blogs e livros já tiveram melhores dias (apesar de gostar muito do Kobo que o meu namorado me ofereceu no Natal).

Com tanto tempo em casa e falta de paciência, tenho aproveitado para ver muitas séries e filmes que estavam por ver há imenso tempo. Como a RTP 2 passou alguns dos filmes que eu queria ver, aproveitei. Parece parvo... Podia chegar à Netflix, ir à minha lista e colocar os filmes a dar, mas havia sempre alguma coisa. Ou não sabia o que queria ver no meio de tantas coisas... Ou estava cansada e pensava que não valia a pena ver um filme que podia ver a qualquer momento... Foi preciso saber que os filmes iam passar na televisão para me decidir a vê-los. Lembrou-me os tempos de miúda quando não tínhamos televisão por cabo nem possibilidades de gravar programas ou voltar atrás. As coisas tinham outro sabor e outra importância porque não estavam acessíveis a qualquer momento. Odiava ter de ir à catequese aos Sábados de manhã porque isso fazia-me perder alguns episódios dos meus desenhos animados favoritos. Mesmo assim, conseguia ver muitos episódios de Pokémon e aqueles momentos eram especiais. Durante a semana, tinha aulas de manhã. Saía, chegava a casa, almoçava e sabia que tinha de me organizar para conseguir ver os Digimons na TV. Fiquei furiosa quando uma ida ao dentista coincidiu com a batalha final contra o Apocalymon. Na sala de espera, consegui ver quase todo o episódio, mas no momento da batalha fui chamada para o consultório. Naquela altura não imaginava que no futuro tivéssemos as facilidades que hoje temos e que fosse tudo tão instantâneo. Nunca me passaria pela cabeça que com um clique tivéssemos acesso ao outro lado do mundo, muito menos que esse clique passasse a ser um toque de dedo no ecrã de um telemóvel e que esse toque se traduzisse num acesso a incontáveis informações ou desencadeasse um conjunto de acções. Às vezes são informações a mais... Somos bombardeados com imagens, palavras, sons... Mas poder ter acesso a informações e a apreender tantas coisas continua a parecer-me algo bom. Afinal, o controlo é necessário em tudo.

Não vou falar das saudades que tenho dos tempos antes da pandemia. Todos as devemos ter e sentir, cada um à sua maneira. Que cansaço, que desorientação, que tristeza... Façamos por aproveitar todos os momentos, de uma forma ou de outra, porque deve ser o que importa no fim.

Entretanto, fiz 30 anos. Talvez seja por isso que me sinto assim. Estranha, feliz, rezingona... Ou talvez seja só culpa de estarmos a envelhecer nestes tempos modernos.

 

O que há em mim é sobretudo cansaço —

Não disto nem daquilo,

Nem sequer de tudo ou de nada:

Cansaço assim mesmo, ele mesmo,

Cansaço.

 

A subtileza das sensações inúteis,

As paixões violentas por coisa nenhuma,

Os amores intensos por o suposto em alguém,

Essas coisas todas —

Essas e o que falta nelas eternamente —;

Tudo isso faz um cansaço,

Este cansaço,

Cansaço.

 

Há sem dúvida quem ame o infinito,

Há sem dúvida quem deseje o impossível,

Há sem dúvida quem não queira nada —

Três tipos de idealistas, e eu nenhum deles:

Porque eu amo infinitamente o finito,

Porque eu desejo impossivelmente o possível,

Porque quero tudo, ou um pouco mais, se puder ser,

Ou até se não puder ser...

 

E o resultado?

Para eles a vida vivida ou sonhada,

Para eles o sonho sonhado ou vivido,

Para eles a média entre tudo e nada, isto é, isto...

Para mim só um grande, um profundo,

E, ah com que felicidade infecundo, cansaço,

Um supremíssimo cansaço,

Íssimo, íssimo, íssimo,

Cansaço...

 

Álvaro de Campos

Um poema para cada mês - Dezembro 2021

Sofia
01
Fev21

Chego ao fim deste desafio, mas acredito em recomeços, acredito que tudo vai e volta e que podemos sempre recomeçar se quisermos, porque isso é, para mim, do mais natural que há.

Tenho visto imensas partilhas deste poema nos últimos tempos, mas quando o conheci era uma adolescente que estava a aprender a recomeçar. Foi no teatro da escola que o conheci e, embora isto me pareça uma memória distante e estranha (às vezes custa-me acreditar que fui capaz de fazer parte de um grupo de teatro apesar da minha enorme timidez), é uma memória que está sempre próxima de mim e que guardo sempre com carinho.

Não se esqueçam de recomeçar. 

 

Sísifo

 

Recomeça....

 

Se puderes

Sem angústia

E sem pressa.

E os passos que deres,

Nesse caminho duro

Do futuro

Dá-os em liberdade.

Enquanto não alcances

Não descanses.

De nenhum fruto queiras só metade.

 

E, nunca saciado,

Vai colhendo ilusões sucessivas no pomar.

Sempre a sonhar e vendo

O logro da aventura.

És homem, não te esqueças!

Só é tua a loucura

Onde, com lucidez, te reconheças...

 

Miguel Torga

Um poema para cada mês - Setembro 2021

Sofia
29
Jan21

Setembro é o mês do regresso às aulas e foi essa a ideia que me levou à procura de um poema. Não é um poema sobre a escola. Optei por recordar poetas que conheci enquanto estudante e que me trouxeram algo de novo e bom. Alguns já aqui tinham sido partilhados, por isso, tive de pensar noutros nomes. Lembrei-me das primeiras aulas de literatura na faculdade e a banda sonora que tenho estado a ouvir esta noite (Seu Jorge) levou-me até ao outro lado do oceano. Apesar dos estudos, tenho pena de não me ter dedicado a conhecer mais de Carlos Drummond de Andrade.

 

Quadrilha

 

João amava Teresa que amava Raimundo

que amava Maria que amava Joaquim que amava Lili

que não amava ninguém.

João foi para os Estados Unidos, Teresa para o convento,

Raimundo morreu de desastre, Maria ficou para tia,

Joaquim suicidou-se e Lili casou com J. Pinto Fernandes

que não tinha entrado na história.

 

Carlos Drummond de Andrade